UA-56073282-1
amp templates
Cuidado com o choque

Vejam que legais esses peixes elétricos.
Certas espécies de peixes têm a capacidade de produzir eletricidade e isso equivale a um “sexto sentido” utilizado para capturar presas e também como defesas contra predadores.
Entre esses peixes, destacam-se as arraias, bagre elétrico e o poraquê, encontrado na Amazônia.
Aquarismo Pzu

As raias elétricas pertencem a um grupo de 69 espécies de raias capazes de produzir descargas elétricas que variam dos 8 aos 220 volts dependendo da espécie.

A raia treme-treme (Narcine brasiliensis) tem esse nome em alusão a sua capacidade de emitir descargas elétricas de até 37 volts, causando choque potente, mesmo no Homem.

Suas propriedades elétricas são conhecidas desde a antiguidade. Os antigos gregos e romanos usavam as descargas elétricas para inibir as dores do parto e no tratamento de gota e dores de cabeça.

Aquarismo Pzu




Os bagres elétricos podem gerar choques de até 350 volts e são encontrados na parte tropical da África e no rio Nilo. Os bagres Africanos (Clarias gariepinus) como são conhecidos, são peixes carnívoros de hábitos noturnos que se alimentam de outros peixes debilitando-os com suas descargas elétricas.

A variedade do Nilo é conhecida desde o Egito antigo quando foi descrito em pinturas e suas propriedades elétricas foram registradas por um físico árabe do século XII que a batizou com o sugestivo nome de Raad ou Raash, que significa trovão.
Aquarismo Pzu

O poraquê (Electrophorus electricus) é capaz de gerar poderosas descargas elétricas, produz choques de até 500 volts e 1 ampére de corrente, uma descarga mortal para um humano adulto.

Vive nas bacias do rio Amazonas e Orinoco e é o predador principal de seu ecossistema.

Apesar de também ser conhecido como enguia elétrica, o poraquê não tem relação alguma com as enguias.

Na maioria dos outros peixes elétricos, os órgãos localizam-se ao longo de quase todo corpo e são capazes de gerar descargas elétricas fortíssimas em volts. Derivam de tecidos musculares modificados que, em vez de usar impulsos elétricos para se contrair como fazem os músculos comuns, liberam essa energia para o meio ambiente. Surge assim, à volta do peixe, um campo elétrico que, ao ser modificado pela presença de um corpo estranho, alerta o peixe e este emite uma descarga elétrica no intruso.

Espero que tenha gostado.
Até breve, valeu Pzu
NASA - Nada Anda Sem Amor.
04-10-2013

FACEBOOK COMMENTS WILL BE SHOWN ONLY WHEN YOUR SITE IS ONLINE

© Copyright Plataforma 2018 Mobirise - Conteúdo Aquarismo Pzu - Todos os direitos reservados.